1º Encontro de Carpintaria e Marcenaria

Finalmente, depois de muito desejar conhecer pessoas com os mesmos gostos, consegui participar num encontro de Carpinteiros e Marceneiros Amadores. E como se não fosse pouco, foi em Espanha, perto de Madrid, na bonita aldeia de Yeles.

Foi um encontro pensado e organizado pelo Mestre Julio Diaz, que escreve um dos Blogues de Marcenaria mais lidos da Internet de fala Hispânica, o “Taller Dominical“. O encontro teve como principal motivo juntar alguns amadores e trocar conhecimentos na arte. Serviu também para nos conhecermos e podermos falar “em pessoa”, pois todos nós navegamos na Internet e conversamos através de Facebook e Google+.

Neste encontro, que promete ser o primeiro, participámos 5 “Woodworkers”; Emílio Rodriguez, de Salamanca, Luis España, de Saragoza, Julio Diaz de Yeles e Ramon Vidal, de Alicante. Eu, como sabem venho de Braga.  Podem ver pela imagem que “roubei” ao Blogue do Ramon “Carpintería para Aficionados” que vimos um pouco de toda a Península.

O encontro trazia promessas de muita aprendizagem e assim veio a acontecer. Durante um dia e meio pudemos conversar muito sobre esta paixão. Trocamos ideias, partilhamos técnicas e pudemos discutir gostos. Levamos ferramentas e podem imaginar o que aconteceu…

Cada um levou um pouco do seu arsenal para podermos conhecer vários tipos de ferramentas. Umas mais clássicas, outras menos habituais, houve um pouco de tudo. De serras baratas (a minha) à mais cara, da Europeia à Japonesa, passando pela Norte-Americana.

Uma grande oportunidade para poder ver de perto as ferramentas que conhecemos na Internet e com que sonhamos diariamente.

Pude constatar que os preços realmente fazem toda a diferença. A qualidade tem um preço e pelo que pude constatar, vale bem essa diferença. O material usado, o cuidado no fabrico e na apresentação, e naturalmente, a facilidade de uso e o resultado que se obtém são significativos. Uma boa ferramenta não é a panaceia para todos os males, pois como já referi muitas vezes, não é a ferramenta que faz o trabalho, é o artesão; mas ajuda a facilitar e a economizar. Notei imediatamente as diferenças entre as minhas ferramentas e a dos meus colegas. No acto de cortar madeira, apenas para dar um exemplo, a diferença entre uma ferramenta bem afiada e bem preparada de fábrica ajuda muito o principiante. Evita muitas das frustrações porque passamos…

E a quantidade de serras existentes???? Uso uma para quase todos os tipos de trabalho, mas aqui pude experimentar uma para cada tipo de trabalho!

Sempre com demonstrações…

Muitas outras ferramentas houve. Plainas, guilhermes, tupias, formões, goivas, e tantos mais. Houve uma preocupação por reunir uma grande variedade de ferramentas manuais tradicionais.

Embora o Julio tenha o seu Atelier completamente equipado, montamos uma pequena oficina improvisada no jardim, para podermos estar mais à vontade.

Houve sempre histórias para partilhar. Cada um tinha a sua especialidade e não escondia nada!

Até discussões animadas sobre diferentes ferramentas. Qual a melhor serra, a Ocidental ou a Oriental? Vamos a um concurso…

No meio desta discussão até houve um ferido. A prova que estas ferramentas SÃO perigosas🙂

Eu aproveitei ao máximo e aprendi tudo o que pude. O mais interessante para mim foi poder aprender a afiar os formões de uma maneira correcta. Conheci os vários métodos e pude practicar com as minhas ferramentas. Sempre com o Mestre por perto!

Uma das raras fotografias minhas que poderão ver no Blogue.

Cada um participava como podia. O Emílio aproveitou e practicou com a lamina da sua tupia manual.

Mas não só houve ferramentas.

Leitura de livros e revistas, passeios virtuais na Internet… um pouco de tudo. Quem é que ainda tem aquela imagem de Carpinteiros e Marceneiros enfiados numa tasca a beber tinto? Hoje em dia bebemos Jack Daniels🙂

Foi um encontro maravilhoso. Não só pelo facto de poder aprender com verdadeiros Woodworkers (mesmo que eles se denominem aficionados), como pelo convívio. Já sabemos que os Espanhóis são pessoas diferentes de nós, mais alegres, mais divertidos, mas também com uma mentalidade mais aberta. Fui recebido por todos de braços abertos, como se de velhos amigos se tratasse. Aprendi mais do que pude ensinar.

Tal como nos tempos da Emergência Médica, senti-me parte, não de um grupo, mas de uma família alargada. Cada um tem a sua vida, a sua profissão mas compartilhamos a mesma paixão pela madeira. E talvez o que mais me impressionou foi não só a simpatia, mas a humildade de todos eles. O Mestre Julio sempre disposto a ensinar e partilhar tudo o que tem; o Ramon, com a sua dedicação e impressionante atenção ao detalhe; o Luis, que é um poço de conhecimentos, uma autentica biblioteca com pernas… e o Emilio, que, ficam a saber, é um dos mais prestigiados Chefs de cozinha em Salamanca, mas que sabe quase tanto de madeira como de presuntos.

Houve tempo, claro está, para o convívio. Uma rico almoço cortesia do Julio e do Emilio. Mais tempo houvesse…

Não posso esquecer é claro o resto do grupo. A esposa do Ramón, a Mãe e o filho do Julio e a Clara e o Luis. Muita paciência tiveram para nos aturar. Sem eles, a festa não teria sido🙂

Já está combinada mais uma reunião para o ano que vem, com mais pessoas noutro ponto da península. As coisas serão talvez um pouco diferentes pois aprendemos bastante sobre como (não) realizar estes encontros. Para o ano que vem vamos tentar ter um projecto para fazer em grupo e talvez horários mais rígidos. É que isto das conversas são como cerejas…

Como conclusão posso dizer que vim com forças renovadas, com outras ideias e outra maneira de olhar para a madeira e a maneira como se trabalha. Outro respeito se quiserem. Um dos meus sonhos, que era poder encontrar um Mestre conseguiu-se realizar, e vejo que aspirava a pouco. Agora tento continuar e aplicar o que aprendi.

If you have knowledge, let others light their candles at it.

Margaret Fuller

Esta entrada foi publicada em Aprender, Carpintaria, Ferramentas, Ferramentas manuais, madeira, Marcenaria, Trabalhos em madeira com as etiquetas . ligação permanente.

10 respostas a 1º Encontro de Carpintaria e Marcenaria

  1. Tiago Paisana diz:

    Olá bom dia.
    Obrigado por esta partilha tão rica.
    Tenho grande paixão por madeiras mas talvez por nunca ter arriscado um pouco mais, tenha receios e falta de confiança para conquista de maior aptidão nesta área.
    Ao ver o seu exemplo fico muito motivado.
    Gostaria de me corresponder consigo se for do seu interesse dar mais que receber…
    Obrigado.

    • Boa tarde Tiago.

      Fico muito contente ao saber que o consegui motivar, nem que fosse a escrver o comentário. Terei todo o gosto em corresponderme consigo e partilhar o pouco que tenho e que sei. Tudo o que procuro é aprender a arte da madeira, nos seus mais variados feitios; marcenaria, carpintaria, talha, pirogravação… E estou sempre à procura de amigos para me acompanhar nesta viagem. Aquilo que eu puder partilhar, será sempre com a maior alegria. Vai ver que é mais fácil do que parece🙂

      Se for da zona até nos podemos encontrar, partilhar as ferramentas e fazer um pequeno projecto para ver como se sente.

      Um abraço.
      santanna620(arroba)gmail(ponto)com

  2. Muchas gracias por esta publicacion Ricardo me llena de emocion aparecer junto a mis amigos en un fion de semana inolvidable que me queda por decir, solo repetir lo que ya nos hemos dicho y esperar que se repita al menos el proximo año, nos vemos pronto amigo !!!!!!

  3. Precioso artículo Ricardo, qué bonitos recuerdos me ha despertado. ¡Valió la pena!
    Las fotografías son estupendas, de haber sabido que ibas a publicar este artículo, jamás las hubiera utilizado yo para el montaje que hice. Te pido disculpas, lo más lamentable del caso es que ni te pedí permiso, lo siento de veras Ricardo.

    ¡UN FUERTE ABRAZO!

  4. João Pereira diz:

    As suas palavras são como disse o Tiago Paisana, motivadoras.
    Sinto que posso mobilar a minha casa toda quando acabo de ler o seu blog.
    É um exagero mas com tempo até conseguiria, por enquanto é melhor treinar nos pequenos projectos e reparações.
    Um grande abraço,
    João Pereira

    • Muito obrigado João.

      Todos nós temos dentro um enorme potencial para fazer coisas maravilhosas. Apenas estamos adormecidos por tantas facilidades que encontramos no nosso dia a dia moderno. Não que isso seja mau, entenda-se, mas desvia-nos a atenção das nossas verdadeiras capacidades.

      Com tempo, paciência e práctica, podemos sim, mobilar a nossa casa inteira🙂 E até de graça… Madeira de paletes não falta hehehehehe. Pode custar um pouco no início, mas tudo leva o seu tempo. Não devemos esquecer que é um passatempo. Os Mestres levavam anos a conseguir executar trabalhos razoáveis, quanto mais nós, que apenas dedicamos algumas horas por semana. O segredo é como muito bem diz; treinar, treinar e treinar.

      Outra coisa muito importante é não ter medo de cometer erros! Vai cometer bastantes no início. Não se preocupe, pois é assim que se aprende. Mesmo com bastante experiência eles vão continuar a acontecer. É importantíssimo não desistir, aprender e tentar de novo. Mais tarde verá como foram importantes e como muitas vezes o inspiraram a seguir novos caminhos. Pessoalmente fico chateado quando vejo Blogues com peças quase perfeitas, construídas à 1ª tentativa, imaculadas… Há quem consiga, claro, mas poucos. O resto prefere ocultar esses erros por várias razões. Eu prefiro mostrá-los claramente e tentar explicar como sucederam e como os corrijo.

      Mas acima de tudo João, divirta-se a trabalhar! Faça com gosto, com amor e carinho…

      Um grande abraço e paletes de bons trabalhos😉

  5. Rui Monteiro diz:

    Amigo depois do que li, só poderia fazer uma coisa, luntar-me ao grupo. Quando hover outro encontro gostaria de poder partecipar visto ser o meu MUNDO a madeira.
    Ainda bem que há Homens me tem como a carpinteria ou marcenaria uma ARTE e não só uma profissão. Eu sou formador da area e gosto sempre de aprender e partelhar conhecimentos e informação. Neste momento ando a ver se arranjo um projecto de bancos de carpinteiro, mas não dos que se fazem atualmente mas sim um banco digno.

    • Boa tarde Rui.

      Os meus pedidos de desculpas pelo GRANDE atraso na resposta, mas se reparou, nem o blogue tenho actualizado. Felizmente o trabalho tem aparecido e tenho andado muito ocupado. Como encontrei trabalho para o dia a dia, vou-me ocupando dos assuntos de madeira sempre que tenho 5 minutos livres, mas isso deixa-me sem tempo de qualidade para ler, e responder ás muitas mensagens que me vão chegando. Vamos lá ver se agora com calma vou continuando com o blogue.

      Será sempre muito bem-vindo ao grupo, embora para ser honesto, queira reunir um grupo em Portugal, onde se possam juntar um grupo, grande ou pequeno de pessoas que gostem e queiram ensinar e aprender a arte dos trabalhos em madeira. Faz falta um grupo nacional que possa dinamizar a área e que possa divulgar os conhecimentos; que não se restrinja a uma área geográfica nem que se fique só pela marcenaria ou carpintaria. Gosto de pensar na arte dos trabalhos de madeira como um todo, com várias “áreas de especialização” mas onde os conhecimentos de base e técnicas são comuns. Aquilo que os falantes da língua inglesa denominam de “Woodworker”.

      Tenho falado com várias pessoas e o interesse está presente. Falta apenas o tempo, pois acho que neste mundo somos todos um pouco casmurros e mesmo com pouco dinheiro fazemos a festa😉

      Caso ainda esteja à procura de planos para bancos de carpinteiro, diga, que talvez lhe possa dar uma ajuda. Não é uma das minhas prioridades, antes está a arca de ferramentas, mas lá chegarei. Um Carpinteiro / Marceneiro que se preze deve ter um banco sólido e construído por ele próprio.

      Um grande abraço.

      • Rui Monteiro diz:

        Amigo Ricardo
        Pode contar comigo para fazer a divulgação da nossa arte e gosto por a ARTE DA MADEIRA, quando estiver a penssar juntar um grupo diga com algum tempo para que possa falar com colegas para poderem estar presentes.
        Quanto ao prejecto do banco se mo poder enviar agradeço , o meu mail é ruimtom@gmail.com

        Um Abraço
        Rui Monteiro

  6. Olá
    Que bela história, parabéns!
    Ser carpinteiro, marceneiro é uma arte que poucos dominam com perfeição e paixão.
    Abraços e continue compartilhando momentos.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s