Mil e uma formas para aprender, terceira e última parte.

Acabo hoje estes três artigos sobre a preparação do “meu” curso de aprendizagem. Expliquei no primeiro artigo porque é que tomei a decisão de começar de novo e onde iria buscar as primeiras informações. No segundo artigo falei um pouco da aprendizagem nos grémios e indiquei alguns sites e livros para aprender um pouco sobre a carpintaria durante a história. Neste artigo vou falar da importância dos Blogues e escolas virtuais na Internet, e como revolucionaram a aprendizagem da Carpintaria e Marcenaria na actualidade.

Já falei um pouco da importância dos grémios na passagem de conhecimentos e na transmissão das artes durante os séculos. Se por um lado conservaram a informação, por outro lado conseguiram manter essa informação fora dos circuitos “normais” do conhecimento. A maior parte das vezes, os saberes eram passados de pais para filhos, de geração em geração ou  então jovens eram escolhidos desde muito cedo para aprender a profissão.

Hoje as coisas mudaram bastante. Embora ainda existam Grémios, não cumprem as mesmas funções sociais e de ensino de outros tempos. Felizmente podemos encontrar outro tipo de grémios e escolas hoje em dia; na Internet.

Os grémios e escolas online são muito interessantes para quem deseje aprender a trabalhar a madeira. A maior parte deles pertencem a Carpinteiros ou Marceneiros com bastante experiência, embora também existam aqueles que começaram do nada e pouco a pouco foram ficando conhecidos na Blogosesfera pela qualidade dos seus trabalhos e pela maneira como dinamizavam os seus artigos. Tanto uns como outros são de extrema importância. Infelizmente, muitos deles, se não todos, tem uma particularidade que os torna restritos como antigamente: Tem custos.

Mas não por isso quer dizer que não devam ser conhecidos. Praticamente todos eles tem sempre um Blogue associado onde podemos ir aprendendo algumas técnicas e seguindo o trabalho dos Mestres e alunos. E verdade seja dita, não são assim tão caros… Devemos é, caso decidirmos seguir este caminho, ponderar bem qual deles se adequa mais com o nosso estilo de trabalho e aprendizagem. Deixo aqui dois exemplos, embora não dê opiniões, pois não estou inscrito em nenhum.

Woodwhisperer de Mark Spagnuolo

O “WoodWhisperer Guild” é sem duvida dos mais conhecidos e respeitados no mundo virtual. Aborda o trabalho manual como com ferramentas eléctricas.

The Renaissence Woodworker de Shannon Rogers.

a “The hand tool school” ensina a trabalhar apenas com ferramentas manuais. Decididamente para aqueles mais “hardcore”.

Mas para quem como eu não pode pagar um destes cursos, existem muitíssimos Blogues onde podemos aprender, desde o mais básico até ao mais complicado. Eu guio-me por vários Blogues que penso serem muito acessíveis em relação à linguagem utilizada e ao nível técnico exigido. Apresento de seguida a lista dos que sigo, quase religiosamente. Embora deixe o link para a maior parte, não os consigo colocar todos.

Full Chisel Blog de Stephen Shepherd

The Renaissance Woodworker de Shannon Rogers

A woodworker’s Notebook de Jeff Gorman

Lost Art Press Blog

Carpintería para Aficionados de Ramón Vidal Moltó

Brico-Carpintería de Andres Montes

El Taller Dominical de Julio Diaz

TallaMadera

Asturtalla

Woodturning Online

Chris Schwarz Blog de Chris Schwarz

Close Grain de Steve Branam

Copain des Copeaux de Nicolas Bole

Galoototron de Brian Ward

Sawdust Making 101 de Frank Campbell

Handplane Central

High Rock Woodworking

OldWolf Workshop Studio de Derek Olson

Design Matters de George Walker

Lumberjocks

Matt’s Basement Workshop de Matt Vanderlistt

The Apprentice and the Journeyman de Bob Simmons

The Carpentry Way de Chris Hall

The Unplugged Woodshop de Tom Fidgen

The Village Carpenter de Kary Hultman

The Wood Database

Tom’s Workbench de Tom Iovino

Uppercut Woodworks de Matt Gradwhol

Woodworking by hand de Simon

Plane Shavings de BaconJ

Woodshop Teachers.org

The Joiner’s Apprentice de Robert Campbell

Informação não falta… Comecemos pelo básico: As minhas ferramentas. Mas isso será no próximo artigo😉.

Esta entrada foi publicada em Aprender, Carpintaria, Ferramentas manuais, Formação, Marcenaria, trabalhos manuais. ligação permanente.

12 respostas a Mil e uma formas para aprender, terceira e última parte.

  1. Muy bien Ricardo. Entre la lista de blogs he visto uno en francés, curiosamente no conocía ninguno en esa lengua. Lo he visitado y me ha gustado mucho, Nicolas es un tío cachondo y eso me gusta, pues a veces una gracia hace que no olvides algo.

    ¿De dónde es la imagen final de herramientas antiguas?

    Te agradezco que me hayas incluido de nuevo, distinción que considero inmerecida, pero que me anima a seguir escribiendo.

    ¡Muchas gracias RICO y un fuerte abrazo!

  2. Ramón

    Espero que nunca pierdas el animo para seguir escribiendo, pues enseñas a mucha gente, aunque pocos comenten. Al escribir un Blog puede parecer que llegamos a pocos, pero me ido dando cuenta que hay mucha gente que encuentra información donde menos esperamos y que nuestros blogs mantienen viva esta arte, como quise demonstrar en el ultimo articulo.

    La imagen la encontré aquí: http://chestofbooks.com/home-improvement/woodworking/Handcraft-in-Wood-And-Metal/Tools.html

    Un fuerte abrazo.

  3. artisanflamingo diz:

    Muchas gracias Ricardo por incluir mi blog en esta lista, me siento emocionado y orgulloso de poder dar ideas o ayudar a mas amigos que les guste el trabajo de la madera con lo que escribo.
    Un placer leer tu blog como siempre, sigue asi llenandonos de animo para contribuir a este gremio por internet
    Un abrazo

  4. Marcelo Gomes diz:

    Obrigado mais uma vez, Ricardo, pela riqueza de informações que compartilha através desses últimos posts. Seu blog está cada vez melhor: sempre com um artigo melhor que o anterior!
    Um abraço

    • Obrigado Marcelo.

      Sinceramente é o meu desejo poder partilhar a informação e difundir esta nobre arte ao maior número de pessoas. Se eu consigo ir fazendo umas coisitas, qualquer um consegue😉.
      No próximo artigo já tenho as mãos na massa e um desafio.
      Um grande abraço e força!

  5. Pingback: Mil e uma formas para aprender, terceira e última parte. | Aprendizagem e técnicas de estudo | Scoop.it

  6. Confesso que os seus artigos têm bastante informação preciosa, mas continuo sem saber como começar. O meu interesse incide maioritariamente sobre o estilo americano de wood framing, mas também abrange o pequeno e simples mobiliário. A formação profissional parece estar-me vedada, já que sou licenciado em enfermagem e não estou desempregado, o que parece que em portugal me impede de frequentar a formação profissional em carpintaria. Fazer um investimento em ferramentas inicial parece-me excessivamente caro, e sem o apoio de alguém experiente parece-me que o resultado pode não ser satisfatório. O meu ideal seria aprender com um mestre, mas talvez hoje em dia isso já não seja possível. Enfim… continuarei a procurar a minha solução ideal🙂

    • Boa tarde Sherab (espero poder tratá-lo assim🙂.

      Acima de tudo, não desista! Se já tem o interesse, o resto vem por acréscimo. Se como eu começou a ler Blogues pode ter-se assustado um pouco com os preços e quantidades astronómicas de material e ferramentas que vamos acumulando nas oficinas, mas não se deixe intimidar. É muito importante começar pequeno e ir comprando as coisas à medida das suas necessidades e capacidades. Comece por uma coisa simples, uma moldura, uma caixa, um suporte para tachos ou uma pequena protecção para tachos ou pratos quentes. Ou mesmo uma colher de pau! Se necessário comece por adquirir ferramentas descartáveis das lojas dos chineses, como um pequeno martelo, uma caixa de pregos pequenos, uma embalagem pequena de cola para madeira e um conjunto de serra de esquadrias mais a caixa de ângulo. Um pequeno pincel, e uma latinha de verniz para o acabamento e tem tudo para fazer, por exemplo, uma moldura🙂

      Se vir que tem jeito e paciência, a seguir compra uma mesa multiusos tipo “Black & Decker” que são baratas hoje em dia e aumenta imediatamente a sua capacidade de trabalho. Umas folhas de lixa surtidas, um berbequim pequeno e barato e uns parafusos e pode construir uma caixa muito bonita e útil para começar a reunir as suas ferramentas.

      Quando reparar já começou a adquirir as competências básicas necessárias para ambicionar mais. Um mês que tenha possibilidade pode comprar uma ferramenta melhor, mais versátil que lhe durará mais tempo e lhe dará outra independência e confiança. E nem use a falta de espaço como desculpa! Um colega começou na cozinha e agora faz autênticas maravilhas. Para dizer a verdade, acabou por remodelar completamente os armários de cozinha sozinho… E começou por fazer caixas e molduras.

      Se calhar está a pensar: “Mas e o mais importante, a madeira????” Faça como eu, recicle! Há paletes de… paletes à espera de serem reutilizadas.

      Não sei de onde é, mas se fosse de Braga ou arredores teria o maior gosto em ajudá-lo neste início, até poderia vir à minha modesta oficina e fazer as peças iniciais com calma. Até lhe poderia dar madeira, pois vou juntando para as necessidades. Pode pensar que é uma contradição passar a vida a falar de qualidade e boas ferramentas e agora propor-lhe comprar ferramentas de pouca ou nenhuma qualidade, mas acredite, como diz um amigo, são tudo gastos de formação. Se mais tarde se cansar ou realmente não gostar, os danos não serão muito elevados.

      Em relação ao estilo de trabalho em madeira que refere, terá alguma dificuldade por cá. Não é só o facto de ser Licenciado, é a falta de formação que existe em Portugal, seja através de organismos estatais ou escolas privadas. O seu problema é em tudo similar ao meu. A conclusão a que cheguei é que não vale a pena lutar contra o sistema. Vale mais contorná-lo, aprendendo por nós próprios e practicando o máximo possível, mesmo que seja só nos tempos livres. A Internet dar-lhe-á toda a informação possível e a comunidade virtual de Woodworkers internacionais não se cansa de ajudar. Mas seja em wood framing ou em marcenaria, tem que aprender as mesmas bases; aprender a preparar as ferramentas (principalmente saber afiar formões, goivas e plainas) e aprender juntas (em cauda de andorinha, em T, etc).

      Esteja atento ao próximo artigo e verá que no meio das coisas baratas até conseguimos obter proveitos. Não desista! Um Enfermeiro nunca desiste (e eu sei do que falo, estou casado com uma ;-))

      Força!

      • Sherab Dorje diz:

        Olá Ricardo

        Obrigado pela rápida resposta e peço desculpa pela ausência de feedback, mas estive a terminar a especialidade em saude mental e psiquiatrica, o que me ocupou imenso tempo.

        Sherab também é o meu nome, embora também seja ricardo.

        Tenho um projecto a que me tenho dedicado ultimamente que consiste em construir uma cabana de madeira com 2,5×3,5m, com um loft para dormir, num pequeno terreno perto da vila do caramulo, com uma vista fantástica, onde pretendo também plantar algumas coisas, desde árvores a arbustos, construindo o mobiliario simples para a cabana e outras estruturas de apoio também simples. Muito trabalho em madeira e nenhuma experiência.

        Quanto á cabana queria construir uma coisa parecida com isto:

        Sei que é demasiada areia para o meu camião, até porque envolve semblagens de espiga e encaixe (não sei se é este o nome correcto), o que não me parece propriamente fácil de fazer, ainda mais a esta escala. Mas a tarefa também não me assusta. Tenho outras pessoas empolgadas com o projecto e prontas a ajudar, embora com o mesmo nivel de conhecimento de trabalhos em madeira que eu. Mas motivação não falta.

        Tenho outra solução para a cabana:

        http://www.finehomebuilding.com/how-to/video/series-build-garden-shed-introduction.aspx

        Aqui até tem os videos com todo o processo e usa samblagens sobrepostas, como as em T, o que já está a um nivel intermédio.

        Outra opção é usar o stick framing, que é o mais simples de todos, é só pregar tabuas.

        Vivo em vila nova de gaia, mas terei muito gosto em visitá-lo um dia destes, assim haja essa possibilidade e disponibilidade.

        Todo o processo de planeamento tem sido muito interessante. Ultimamente só penso em madeira, em tudo o que vejo olho sempre para os trabalhos em madeira, para ver se descubro como se fazem.
        Falta-me por as mãos na massa. Mas tudo a seu tempo. Já fiz uma maquete da cabana em madeira que adorei fazer. Estou certo que o projecto final, que não tem propriamente um fim, será imperfeitamente perfeito. Estarei talvez um pouco confiante demais, mas consciente das minhas limitações e do que posso e consigo aprender. E vontade não me falta.

        Obrigado,

        Ricardo Brito (Sherab Dorje)

        • Olá Sherab

          Fico muito feliz com a sua resolução de iniciar este trabalho. É uma ideia magnífica! Já comecei também a sonhar hehehehehehehe. Vou-lhe enviar para o e-mail alguns livros e informações que tenho a certeza serão de muita utilidade para os seus projectos. São todos (ou quase todos) em Inglês, espero que não haja problemas. Se precisar de ajuda, pode contar comigo! Pode organizar um “evento”, ou uma reunião como fazem na América do Norte em que todos se reúnem para ajudar a construir uma casa ou um celeiro🙂 Entre todos o trabalho é mais rápido, seguro e cria-se um sentimento de comunidade. Naturalmente, a casa apesar de ser nova, já fica cheia de recordações e memórias quando para lá for.

          Não se assuste com as uniões. Na carpintaria, as uniões devem ser forte, mas permitem uma maior margem de erro que na marcenaria (sem abusar, claro está). Vai precisar no entanto é de ferramentas. E convêm tê-las e practicar antes de começar a construir. Pode começar a procurar em feiras de segunda mão, ou ver se amigos e conhecidos tem alguma coisa perdida por casa.

          As limitações não existem, e acho que sabe isso muito melhor que eu Sherab. Pode existir o receio de falhar, mas temos sempre de tentar! O principal já tem, a vontade de aprender! Já tem um objectivo também. Agora é por as mãos à obra. Naquilo que puder, terei o maior gosto em ajudá-lo, pois um sonho partilhado é sempre muito melhor. As ferramentas que tenho estão ao seu dispor,e quando se sentir preparado, posso-lhe emprestar as ferramentas eléctricas que tenho para acelerar as coisas se necessário.

          Um grande abraço e tudo de bom. Força!

  7. Obrigado Ricardo.

    Aqui fica o meu email,
    ricardojsbrito@gmail.com

    Um abraço

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s