Furadora vertical experimental 3

Fim de semana para esquecer. A vontade de fazer a furadora foi quase nula, pelo que apenas fiz uns pequenos acertos e apenas trabalhei “no papel”. Passei algum tempo à volta do meu bloco de desenho a fazer cálculos sobre a melhor maneira de colocar as peças de suporte do berbequim e queimei os miolos a tentar encontrar uma maneira de fazer com que o suporte do berbequim suba e desça com um sistema de alavanca. Mas tá complicado.

Mas segunda e ontem lá apanhei as ferramentas e dei-lhe com força.

Fiz a peça que vai suportar o berbequim à tábua deslizante e fixei-a.

Coloquei a nos carris e fiz a peça de topo para manter os carris alinhados. Ainda não está na sua dimensão final, pois tenho que ver se coloco mais dois suportes verticais ou não.

A tábua deslizante teve que ser corrigida, pois quando chegava quase ao final dos carris não avançava. Mas agora sobe e desce de uma maneira suave.

A seguir foi a altura de fazer a peça que assegura que o berbequim fique num ângulo de 90 graus e depois os suportes laterais. Falta agora fazer um corte no suporte do berbequim, do exterior até ao buraco onde o berbequim assenta, para criar uma pequena folga. Depois passar um parafuso roscado de borboleta, que apertará essa folga e segurará o berbequim com força, impedindo que se mexa.

O pequenote, farto de jogar computador veio visitar-me e ajudou-me.

Ajudou-me a limar pequenos detalhes nos suportes. E não é que tem jeito com a grosa?

Pequenos momentos que fazem a vida valer a pena. É engraçado como nos ajudam a viver as agruras da vida. Mais ninguém dá nada por nós, mais ninguém se interessa pelas nossas ideias, pelos nossos trabalhos, ninguém dá valor ao que nós fazemos, mas depois chega esta miniatura de pessoa e faz-nos sentir a pessoa mais importante do mundo!

Olhava para mim como se estivesse a criar a máquina que iria resolver os problemas da fome do mundo, com admiração e surpresa… Os olhos bem abertos e cheios de perguntas. Como funcionava a serra, como funcionava a grosa? E é natural, ele também queria experimentar.

E apesar de estar a fazer uma parvoíce qualquer para passar o tempo, fez-me sentir a pessoa mais importante do mundo.

E durante esses pequenos minutos, fui o homem mais feliz do mundo!

Esta entrada foi publicada em Furadoura de coluna; suporte para, Trabalhos em madeira. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s