Bancada de Carpinteiro do AKI

No meu aniversário, tive uma das melhores prendas da minha vida, uma Bancada de Carpinteiro. Tinha deixado no ar que queria uma mesa de trabalho para poder trabalhar mais à vontade na garagem. Até tinha deixado um recorte de jornal com a fotografia e o preço. Não era nada fora do normal, mas parecia forte e estava a um preço bastante convidativo numa nova loja de bricolage. Mas quando cheguei a casa e vi a caixa, reconheci logo a Bancada. Era a que estava no AKI, e também tinha sido mais barata, pois era o aniversário do AKI e tinham feito umas promoções.

Vou deixar aqui as minhas impressões sobre a Bancada, para que possam ter uma ideia do produto, caso o desejem adquirir. Tenho no entanto que deixar uma chamada de atenção:

Sou aprendiz autodidacta, ou seja, as minhas opiniões na matéria valem o que valem. Durante duas semanas, e com os meus conhecimentos limitados de Carpintaria utilizei a Bancada para fazer uns quantos trabalhos que julgo serem os mais habituais nesta área. Li vários artigos sobre o assunto e inclusivamente falei com Carpinteiros no meu local de trabalho, para saber o que é que faz uma boa Bancada. Com toda a informação reunida, escrevi um esboço. Eis a minha humilde opinião.

Já conhecia a Bancada das minhas visitas habituais ao AKI. Normalmente a bancada está “escondida” numa prateleira superior na secção das ferramentas para Carpintaria, mas no Natal passado estava em exposição. Infelizmente, e como é habitual no AKI, os produtos que necessitam de montagem são muitas vezes colocados em exposição sem grande atenção ou cuidado. Neste caso a mesa estava completamente solta, os parafusos apenas colocados nos buracos faziam que esta parecesse uma autêntica bailarina. Lembro-me de na altura ter tentado abrir a gaveta e ter ficado com ela na mão… A mesa parecia-me muito estreita, demasiado leve e algumas madeiras não pareciam ser de grande qualidade. Mas era bonitinha, tinha um torno, gaveta, uma bandeja inferior para colocar ferramentas, no tampo da mesa tinha aquele espaço para deixar ferramentas sem estorvar, orifícios no tampo e torno para as esperas e orifícios na perna oposta ao torno para poder colocar apoios para peças longas. Custava 99 Euros, mas não pensei duas vezes, pois na altura não pensava numa bancada dessas.

Com o passar do tempo e à medida que ia aprendendo mais, comecei a pensar em comprar uma bancada, mas não podia ter essa despesa. Pesquisei e encontrei no site “Instructables” a bancada que queria. Era fácil de fazer, os materiais eram baratos e já tinha todas as ferramentas necessárias. A prenda de aniversário era exactamente uma ajuda para a construção da minha bancada de Carpinteiro. Já agora, dêem uma vista de olhos aqui e aqui  a outras bancas de Carpinteiro feitas de raiz por pessoal bastante engenhoso.

E de repente, surpresa! A minha cara-metade e o meu filhote ofereceram-me uma bancada.

A bancada vem desmontada numa embalagem rectangular e pesa aproximadamente 30 quilos. Mais parece um móvel do Ikea. As pernas, as travessas inferiores e a gaveta vem completamente desmontadas, enquanto o tampo já vem montado. O torno vem montado e guardado numa caixa. Existe um conjunto de instruções, mas é preciso uma máquina “Enigma” para decifrar vários passos da montagem. Como sou dos poucos tolos que tem a mania de ler os manuais e instruções antes de começar a trabalhar cheguei a pensar que ia ser complicado. Afinal foi bastante fácil. Para aqueles que tem uma pós-graduação em montagem de móveis do Ikea, a bancada é canja.

Neste momento começamos a ver a qualidade do material. As madeiras são extremamente leves e o tampo, que a simples vista parece maciço, não é. A madeira do tampo tem apenas 2 cm de grossura. A simples vista parece ser mais grosso, mas é a madeira que emoldura o tampo que dá essa ilusão. Umas travessas de MDF por baixo vão servir de conexão entre o tampo e as pernas. As pernas são bem “magrinhas”, uns meros 5 X 5 cm. A bandeja inferior é um (literalmente) bocado de contraplacado de uns 2 mm.

As pernas estão afastadas 87 e 22 cm. O tampo por sua vez mede 140 por 50 cm. Se tirarmos o espaço para as ferramentas fica com apenas 140 por 35 cm. A altura da bancada para mim é boa, 86 cm. A superfície do tampo chega-me pela cintura, o que me parece uma boa posição para aplainar, por exemplo. O peso da bancada é de 30 quilos. A gaveta, embora não seja imprescindível, faz-me bastante jeito, pois tenho o péssimo hábito de deixar tudo espalhado e desta maneira tenho as coisas mais importantes bem arrumadinhas. Cuidado com o fundo da gaveta. É o mesmo contraplacado da bandeja inferior. Só coisas leves.

O torno, que parecia ser o grande trunfo desta bancada foi a maior desilusão. É composto por uma vareta roscada central e dois tubos que lhe dão estabilidade. Até ai, tudo normal.

Mas a maneira como foi feito é que deixa muito a desejar. Os tubos estão colocados exactamente a meio do bloco de madeira, ou seja, não deixam espaço vertical suficiente para segurar convenientemente as madeiras.

Se o torno fosse igual aos que vemos habitualmente nas bancadas, os tubos estariam colocados no fundo do bloco de madeira, deixando uma boa superfície de aperto para as madeiras. Desta maneira, ficam apenas uns míseros 3 cm, fazendo que as madeiras não fiquem bem fixas ao torno.

Os orifícios para as esperas também não me convencem muito. Tem apenas 16 mm de diâmetro. Pelo que tenho lido, parece existir uma convenção para este diâmetro, que será de 20 ou 22 mm. Se quiser comprar mais esperas ou quiser usar, por exemplo, os da minha Workmate, não posso. Além disso, estão desalinhados.

No caso de ter uma madeira como a da fotografia, e a quiser prender entre apenas duas esperas, não vai ficar alinhada. Talvez seja um preciosismo da minha parte, mas acho que não custava nada terem feito os orifícios alinhados (e com o diâmetro certo). Um ponto positivo; apesar de só trazer um torno, a bancada vem preparada para receber o torno de cauda.

Trás também cinco orifícios na perna oposta ao torno, pelo que podemos colocar suportes em várias posições para trabalhar madeiras mais compridas que queiramos fixar no torno.

Se calhar o problema foi meu, mas tentei aplainar o lado duma tábua e encontrei o seguinte problema:

Para ter a tábua nivelada tive de improvisar. A meu ver deveriam existir mais um ou dois orifícios verticais para evitar este problema. Mas neste ponto falo com pouco ou nenhum conhecimento, pois foi a primeira vez que fiz este trabalho numa bancada.

O espaço para ferramentas no tampo é bom. Podemos ter as ferramentas mais usadas à mão sem estorvar e não temos que estar sempre à procura delas. Infelizmente, isto foi conseguido às custas de uma redução drástica do tamanho do tampo.

Mas como foi trabalhar nela? É um pouco difícil explicar. Por tudo o que leio e vejo na Internet, estas bancadas costumam ser bastante sólidas e maciças. Tem de suportar trabalho bastante pesado e não podem abanar ou tremer.

Esta bancada é muito leve, demasiado leve… Abana demasiado, mexe demasiado, treme que nem varas verdes. Aqueles palitos (pernas) não têm grossura suficiente. Deviam estar mais afastadas, pois não conseguem dar estabilidade suficiente. O tampo é muito fino. Não consegue dar peso às pernas para que a bancada tenha um mínimo de segurança. O simples cortar de uma tábua presa ao torno implica ter de amparar a tábua E a bancada para que o corte saia certo e que a bancada não “ande” uns milímetros ou centímetros.

As uniões entre os componentes não me convencem muito. Em duas semanas já tive de apertar dois parafusos das pernas. Tenho a bancada encostada à parede para lhe dar mais estabilidade, mas acho que a solução passará por fixá-la à parede permanentemente, apesar de saber que perderei algum espaço de trabalho.

E no fim de tudo o que penso? Para uma bancada que custa 99 Euros e é vendida pelo pessoal do AKI como uma peça “Semi-profissional”, fiquei bastante desiludido. Sinceramente esperava bastante mais. Também admito que uma bancada de Carpinteiro básica na Internet custa mais de 400 Euros e mesmo assim só em Espanha, mas com esta qualidade acho que um preço justo não deveria passar os 50 Euros.

E deviam informar bem os clientes. No caso da minha mulher (que naturalmente foi sozinha e sem me consultar primeiro), confiou no funcionário. Nem a viu montada. Apenas pensou que aquela era mais adequada ao meu trabalho. Quando lhe perguntei sobre se a tinha visto montada disse-me que o funcionário lhe tinha garantido que era “extremamente robusta e forte. Só tem de apertar bem os parafusos”.

Para terminar; se procuram uma bancada para trabalhar, ou como eu, para aprender, não aconselho a compra. Invistam em madeira de qualidade e façam a vossa própria bancada.

Quanto a esta, é a melhor do mundo! Foi-me oferecida pela mulher que eu amo e pelo filho que adoro. Como é meu costume, vou… personalizá-la um pouco. Um pouco de “Tunning” sempre fica bem em qualquer garagem.

É linda, não é????

About these ads
Esta entrada foi publicada em AKI, Bancada de trabalho, Provas e testes, Trabalhos em madeira com as etiquetas , , , , , . ligação permanente.

9 respostas a Bancada de Carpinteiro do AKI

  1. Marcelo C. Gomes diz:

    Acho que não me incomodava em ganhar uma dessas, mesmo não sendo tão robusta quanto de início parece… :) Em tempo: feliz aniversário!

  2. José Mota diz:

    É curioso que aqui há uns tempos,andei às voltas de uma igual, na superfície comercial por si citada, e torci o nariz, Não me pareceu firme e essa característica é essencial para se trabalhar “à maneira”. acho eu.

    Cumprimentos

    • Olá José.
      Concordo consigo. Uma bancada deve ser bastante firme, construída com madeira sólida e de preferência, desenhada por aquém com experiência em carpintaria. Temos de ter em conta o tipo de trabalho que uma bancada destas vai suportar. Serrar, aplainar, pregar, são todos trabalhos que forçam estruturalmente a bancada. Se pensarmos ainda que é uma ferramenta que deve durar muitos anos, rapidamente chegamos à conclusão que deve ser construída com um mínimo de atenção e cuidado, não só na escolha do material, mas também no desenho.
      Mas já comecei a desenhar algumas alterações à bancada de maneira a aumentar-lhe a estabilidade.
      Um abraço.

  3. Obrigado Marcelo ;-)
    É claro que não fiquei triste com esta prenda. Já comecei a fazer um pequeno projecto no Google SketchUp com alterações que penso poderão melhorar em muito a estabilidade da Bancada. Mas como disse, estou super contente com a prenda. Não queria outra.

  4. Eliana Silva diz:

    Estou precisando de um marceneiro para fazer umas gavetas e porta de guarda roupa. Só que todos que pesquisei ficou muito caro e como não tenho condições de contar profissionais caros, resolvi apelar para os mais baratos. Favor entrar em contatos pelo meu e-mail deixando telefone para que possamos nos comunicar e falar sobre o trabalho. Desde já, agradeço

  5. JOÃO LOPES diz:

    OLÁ, MEU NOME É JOÃO E GOSTARIA DE SABER SOBRE O SEU PROJETO (DESENHO) DE COMO FAZER UMA BANCADA EM CASA. TENHO TENTADO COMPRAR UMA MAS ACHO TODAS ELAS MUITO FRAQUINHAS. POR FAVOR RESPONDA PARA O MEU EMAIL jebpc@hotmail.com FICAREI MUITO CONTENTE EM PODAR FAZER A MINHA PRÓPRIA BANCADA AQUI EM CASA, MAS NÃO SEI COMO FAZER, POR ISSO PRECISO DO SEU DESENHO PRA PODER COMEÇAR. ABRAÇOS E PARABÉNS PELA INICIATIVA.

  6. Pingback: Ferramentas para começar a trabalhar madeira | Coisas de um desocupado

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s